Com a crise, presentes de Dia das Crianças não deverão exceder R$ 100,00

É o que aponta pesquisa do Sindicato do Comércio Varejista, que projeta melhora nas vendas esse ano

prateleira-de-brinquedos

Mesmo com a crise econômica, o Dia das Crianças não deverá passar em branco para a maioria das famílias na Baixada Santista. Porém, neste ano, pais, tios e avós pensarão com mais cuidado antes de comprar o tão esperado presente dos pequenos.

 Na região, conforme dados divulgados pelo Sindicato do Comércio Varejista, 73% dos consumidores entrevistados deverão presentear a criança com brinquedos. Porém, o valor das lembrancinhas, para a maioria (56%), deverá ter preço entre R$ 50,00 e R$ 100,00. No ano passado, essa faixa de preços correspondia a 38% das respostas.
   Já para 23% dos consumidores, o orçamento para as compras das crianças neste ano compreende presentes entre R$ 101,00 e R$ 200,00 (31% no ano anterior). Outros 17% dos entrevistados pretendem gastar, no máximo, R$ 50,00 (20% em 2015). Itens entre R$ 201,00 e R$ 300,00 têm 3% de preferência (8% no ano passado) e, acima de R$ 300,00, 1% (3% em 2015).
 Além dos brinquedos, outros itens também despertam a preferência dos consumidores. São eles roupas (35%), calçados (16%), livros (11%), jogos de videogame (6%) e produtos eletrônicos (6%). Completam a lista de intenção de compra: artigos de informática (3%); artigos esportivos – como skate e patins (3%); CDs e DVDs (2%) e perfumes (1%).
  Entre os lojistas, apesar da queda no poder de compra, há expectativa de melhora nas vendas, em comparação com o ano anterior, para 73% dos empresários. Em 2015, esse índice era de 55%. Outros 25% apostam na manutenção do nível das vendas (39% em 2015), e apenas 2% projetam queda no faturamento (ante 6% no ano anterior). A maioria dos lojistas (41%) estima crescimento superior a 15%.
 “A pesquisa mostra que o empresário está mais confiante neste semestre. Isso pode ser reflexo da formação de uma nova equipe econômica pelo governo e a expectativa do anúncio de medidas para enfrentar a crise. Todo esse cenário acaba contribuindo para a retomada da confiança e do consumo no varejo”, explica o presidente do Sindicato do Comércio Varejista da Baixada Santista, Alberto Weberman.
 O levantamento foi realizado entre os dias 1 e 12 de setembro, com 650 entrevistados, nas nove cidades da Baixada Santista. A pesquisa tem caráter quantitativo, pelo método de levantamento com amostra aleatória simples e estratificada.
Fonte: A tribuna (site)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *