Muito além de pedir desculpas: Seu filho com atitude construtiva!

Ensinar as crianças a pedir desculpas é unânime entre os pais. Passar a importância de dizer a palavra “desculpe” é fundamental para a formação do caráter do futuro adulto, além de ser sinal de educação e consideração com o próximo.

O que muitos especialistas recomendam, no entanto, é que o habito de dizer “desculpe” não seja a única reação da criança após causar dano a outra criança ou adulto.

Muitas vezes, o uso da palavra se torna reação automática na mente das crianças, que não atingiram um estágio de desenvolvimento moral para sentir pena. Desta forma, os pais perdem uma oportunidades-chave para ensinar empatia real.

O que diz uma especialista

Segundo a autora Heather Schumaker  “O remorso exige a capacidade de se colocar no lugar de outra pessoa e totalmente entender causa e efeito. Estas habilidades ainda estão emergindo em crianças pequenas. Esperar que crianças pequenas peçam desculpas não os ensina nada, a não ser uma lição equivocada em sequência: chute, peça desculpas, siga em frente”.

Ao invés disso, os pais podem ajudar as crianças a desenvolver compaixão moral ao explicar que suas ações têm consequências. A ideia aqui é mostrar aos pequenos que eles podem fazer algo para melhorar as coisas para as outras pessoas afetadas. Desta forma, irão usar a palavra “desculpe” de forma significativa.

Veja algumas dicas dadas pela autora:

Traga as crianças para perto

Algumas vezes, quando as crianças acreditam ter feito algo errado, elas fogem.

Se isso acontecer, você pode colocar o braço em volta da criança e dizer algo como: “Você precisa voltar aqui. A Callie se machucou. Mesmo se você não fez de propósito, ela se machucou, e você precisa voltar aqui.”

Diga o que aconteceu à criança que causou o acidente

Mesmo se o que aconteceu parecer óbvio ao olhar de um adulto, as crianças podem não entender muito bem as consequências do ocorrido.

Exponha os fatos. “Seu carrinho de compras passou por cima do dedão dela.” “Sua mão derrubou o copo de água na pintura dela.” “Você estava dançando e seu braço bateu no rosto dela.”

Descreva o que você vê

Examinar os fatos da cena ajuda a criança a desenvolver empatia.

Enfatize as consequências de suas ações para a outra criança (ou adulto) e seja específico: “Olhe, ele está chorando. Há um arranhão no braço dele. Deve estar doendo.”

Seja um exemplo de empatia pela criança machucada. Pergunte à criança: “Você está bem?”

Tome uma atitude

Mesmo que as crianças pequenas não entendam totalmente o que houve, elas tomarão uma atitude. Por exemplo, pegar um band-Aid para aquele que está machucado.

Prefira uma garantia

Ouvir de uma criança que ela não fará mais aquilo a outra é, seguramente, muito mais positivo do que um pedido de desculpas.

Você pode perguntar: “Você vai bater nele de novo?” ou fazer com que ela diga as palavras: “Eu não vou bater em você de novo”.

Seja você mesmo um exemplo ao pedir desculpas

Tenha certeza de que suas desculpas são de verdade. Isso significa reconhecer as consequências de suas ações e dar passos para melhorar as coisas.

Por exemplo: “Desculpe por ter esquecido de levar seu ursinho para a escola. Você sentiu falta dele durante a hora da soneca. Estou anotando na minha lista para que eu me lembre da próxima vez.”

Segundo a autora, com estas dicas as crianças pedirão desculpas sem serem solicitadas, além de terem uma atitude construtiva frente as situações

 

 

Fonte: Awebic

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *